Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



sexta-feira, 20 de março de 2015

Cine Clube #14: O Doador de Memórias-

                                                                                 


Num mundo dividido em comunidades, habitantes vivem uma realidade ideal. Sem doenças nem guerras, sem preconceitos nem relações afetivas, sem cores e também sem sentimentos. Dentre eles apenas uma pessoa (Jeff Bridges) é encarregada de armazenar todas as memórias para que o passado não os influencie. De tempos em tempos essa tarefa muda de mãos e agora o escolhido é o jovem Jonas (Brenton Thwaites).

 Assisti ao filme O Doador de Memórias, despretensiosamente,  sem especulações, querendo apenas conferir a obra literária na telona.
The Giver, no original, dirigido por Phillip Noyce, trata sobre ficção científica - ou distopia – com um toque de drama.
Baseado no livro O Doador, de Lois Lowry, o filme trata de um futuro que remete a Jogos Vorazes e Divergente, onde adolescentes lutam contra regimes totalitários em busca de  ideais -  e que ao completar 16 anos,  são designados para trabalhar na área com a qual melhor se identificam... Porém o foco do Doador muda levando em consideração filmes similares.
Ação, lutas, romances, aventuras, nada disso é concretizado. O filme foge dessa pegada, o que nos remete às  literaturas sociais. Filosofia, questionamento (ou a falta dele) em relação ao poder do governo.
A sociedade atual é morna. E por essa falta de ânimo, de contraposição, de paixão e ardor é que se torna um mundo de mesmice, em preto e branco. E é também pelo mesmo motivo que você verá a primeira parte apenas em preto e branco, inclusive durante a narrativa as cores vão aparecendo à medida que os sentimentos vão sendo (re)descobertos.
Os casais existem para cuidar das crianças criadas artificialmente, pois não há toque entre eles, muito menos sexo. As profissões são escolhidas pelos mais velhos, os Anciões. Todos têm horário para dormir e acordar e quando saem de casa passam o pulso por um mecanismo que neles injeta uma substância que lhes inibe as emoções.
O passado é oculto da população, de forma a poupá-los de qualquer sofrimento e também para que o doador possa guiá-los com sua sabedoria. E é o que tem feito o “Doador” até que novo receptor seja escolhido.
Jonas então atinge a idade de ter sua profissão escolhida e é o escolhido para receber todas as memórias e ser o próximo Doador.
Incompreensível de início, afinal Jonas é muito contestador, percebemos que logo haverá um grande envolvimento entre o guardião de memórias e ele.
Jonas fica feliz com as primeiras memórias que recebe. E quando descobre a cor tudo ganha sentido a seu redor. Até conhecer os ataques à natureza e as guerras. Aí então ele decide que não vai ficar com essas memórias só para si.

É um filme para adultos que, erroneamente, foi descoberto por adolescentes. Os que leram o livro e foram ao cinema para assistirem perseguições espetaculares em 3D, provavelmente não entenderam nem o porquê da primeira metade do filme ser em P&B. Para outra boa parte dos que assistiram não funcionou por não oferecer atributos para persuadir e não teve a audácia de desafiar.
Um ponto positivo para o filmexlivro, é que no filme nós conhecemos no final, o que acontece com Jonas e a comunidade e no livro temos apenas a visão do nosso protagonista.
Não recomendo para todos, mas os que quiserem assistir um filme instigante e que foge dos clichês não vai se decepcionar.

Abraços Literários e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário