Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Caixa de Pássaros-

                                                                                  


Sinopse:  Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor sem fôlego.
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento  que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas.
Quatro anos depois de tudo ter começado, restaram poucos sobreviventes, incluindo Malorie e seus dois filhos pequenos. Morando numa casa abandonada próxima ao rio, ela sonha há tempos em fugir para um local onde sua família possa ficar em segurança. Mas a jornada que têm pela frente será assustadora: 32 quilômetros rio abaixo em um barco a remo, vendados, contando apenas com a inteligência de Malorie e os ouvidos treinados das crianças. Uma decisão errada e eles morrem.
E ainda há alguma coisa os seguindo. Será que é um homem, um animal ou uma criatura desconhecida?


Caixa de Pássaros é o romance de estreia de Josh Malerman, que apresenta a pergunta que não quer calar: "O que te dá medo?".
O verdadeiro terror que o autor explora é o medo do desconhecido, do que não vemos, mas  está lá e assombra. Não é um livro de  ação nem “sangue”, mas o clima de terror psicológico está lá incutido  do início ao fim e se infiltra pelas beiradas, assombrando com barulhos e sensações.
A história narrada em terceira pessoa acompanha nossa protagonista Malorie no presente e há quatro anos,  quando os surtos tiveram início.
Os capítulos são alternados entre dois tempos da narrativa e em determinado momento convergem para o final.
É interessante como o autor explorou a narrativa alternada entre passado e presente, pois já sabemos, de certa forma, o que vai acontecer, e nem por isso o suspense é quebrado.
Tudo começa com rumores, um incidente aqui e outro ali, que parecem casos isolados, mas  começam a se espalhar por vários pontos do planeta.
 Alguém tem um acesso de loucura, ataca quem estiver próximo e depois se mata.
E aparentemente o surto começa quando a pessoa vê alguma coisa. 
Ninguém sabe dizer o quê, afinal quem viu está morto agora.

                                                                                  


“Não abra os olhos.”

Ninguém mais sai de casa e todos cobrem janelas com lençóis escuros e tábuas.
As autoridades somem; TV e internet não funcionam;  não há luz nem telefone.
E há escuridão. Não há mais como sair sem estar vendado ou de olhos bem fechados. Não há mais como viver sem medo de abrí-los e ver algo que não deveria.
O que seriam estas coisas que traziam loucura para quem os olhasse?

Misturando suspense psicológico e drama o autor nos mostra as facetas dos personagens, e como a ruína do mundo exterior os  afeta.
A tensão  não se deve apenas ao medo do que está lá fora, mas o medo da fome, da insanidade se infiltrando aos poucos na mente de cada um deles.

"Ela imagina a casa como se fosse uma grande caixa. Quer sair daquela caixa [...]  O mundo está confinado à mesma caixa de papelão que abriga os pássaros lá fora.”

A narrativa tem um bom desenvolvimento assim como a construção dos personagens.
O leitor se sente preso àquela caixa de pássaros, vendado, e angustiado por não poder ver e se debatendo para entender.

“O homem é a criatura que ele teme.”

Há quem diga que a narrativa tem a pegada das  obras de J-Horror, um estilo de obras de terror da cultura popular japonesa, célebres por suas temáticas e tratamento característico do gênero priorizando o terror psicológico e a construção de tensão  por antecipação. Não acho que  seja do gênero J-Horror.
Há quem diga que lembra a memorável obra-de-arte Os Pássaros de Alfred Hitchcock. 
Onde resumidamente temos a protagonista Melanie  chegando a uma ilha chamada Bodega Bay  quando é inexplicavelmente atacada por uma gaivota.
 Inesperadamente, milhares de pássaros aparecem na cidade numa terrível série de ataques. Logo os personagens  estão lutando por suas vidas contra uma força mortal que não pode ser explicada nem detida, num dos filmes mais horripilantes de natureza sem controle da história de Hollywood.
Não acho que lembre o filme, lá sabemos que quem ataca são “Os Pássaros”.

É preciso se conectar com a narrativa,  ter em mente que os personagens, principalmente Malorie,  que conduz a história, não sabe o que está acontecendo.
Esse terror que se esgueira, que espreita, que ameaça de forma indireta foi  mais aterrorizante do que algo explícito.

É um livro que explora o medo de uma forma visceral expondo o que há de mais primitivo no ser humano. 
Você lê de uma sentada não consegue largar a leitura ansiosa pelo desfecho.
Masssssssss se você gosta de livros com finais redondinhos e que não deixam pontas soltas,  talvez esse livro não seja para você.
Vai ter adaptação na Netflix com Sandra Bullock como protagonista.


E aí eu te pergunto o que te dá medo??????

Abraços Literários e até a próxima.


domingo, 13 de agosto de 2017

Feliz Dia dos Pais-




Parabéns a todos os papais!


As mãos do meu Pai

As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos...
Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,
essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas...
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
ah, como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.
E é, ainda, a vida
que transfigura das tuas mãos nodosas...
essa chama de vida — que transcende a própria vida...
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma...

(Mário Quintana)


Feliz Dia dos Pais!!!!


Abraços Literários, beijos poéticos e até a próxima.



quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Cine Clube #30: Pets - A Vida Secreta dos Bichos

                                                                                 


Sinopse: Max é um cachorro doméstico que mora em um apartamento de Manhattan. Quando sua querida dona traz para casa um novo cachorro chamado Duke, Max não gosta nada, já que seus privilégios parecem ter acabado. Mas logo eles vão ter que pôr as divergências de lado quando um incidente coloca os dois na mira da carrocinha.
Enquanto tentam fugir, os animais da vizinhança se reúnem para o resgate, e uma gangue de bichos que moram nos esgotos se mete no caminho da dupla.

 Quem nunca ficou curioso em saber o que seu pet faz em casa quando está sozinho????????
Pets apresenta uma resposta de maneira original e divertida.

                                                                                 


Da Universal Pictures, o mesmo estúdio de Meu Malvado Favorito, a trama apresenta Max, um cãozinho de estimação que se acha o cão mais sortudo da cidade e possui um amor incondicional por sua tutora.

                                                                              


Por mais que seus amigos aproveitem a ausência dos humanos das maneiras mais improváveis e impossíveis, Max está sempre preocupado em esperar pelo retorno de Katie. No entanto, tudo muda quando ela decide adotar outro cão, Duke.
Como Max estava acostumado a ter toda a atenção de Katie, ele não fica nada feliz com essa novidade e decide fazer de tudo para tirar o novo “irmão” de cena.
E é colocando em prática um plano para se livrar de Duke, abandonando-o em uma praça, que ambos acabam entrando em uma tremenda confusão.

                                                                                 


Numa “cãominhada” com o dog walker eles se perdem dos amigos e encontram uma gangue de animais que foram abandonados por seus donos e vivem no esgoto liderados por um malvado e vingativo (e fofiiiiiiiiinho, fofuroso e fofis) coelho, o Snowball.

                                                                                


Liderados por Gidget, uma meiguinha e fofíssima cadelinha apaixonada por Max, os amigos do cãozinho decidem formar uma equipe de resgate.
A equipe formada por três cães, (Buddy, um daschund sarcástico; Mel, um pug bipolar e Pops, um basset hound idoso e paraplégico), Tibérius um gavião ameaçador, Chloe, uma gata obesa e entediada; um hamster e um passarinho, é responsável pelas cenas mais engraçadas do filme.
O filme diferente de animações que são direcionadas para pessoas de todas as idades tem como foco os pequenos, mesmo assim é impossível não se apaixonar pela película.
Uma das grandes vantagens é que os personagens são cativantes  e suas características são construídas de uma maneira muito fiel ao que estamos acostumados a ver em nossos pets. Os cachorros, carinhosos, leais e cheios de energia perseguindo bolinhas e  extasiados com a chegada dos donos; os gatos que não estão nem aí para nada e agem como querem (até encontrar um pontinho vermelho de luz para perseguir); os pássaros sanguinários e os dóceis canarinhos;  todos andando livremente e desfrutando suas casas enquanto estão sozinhos, sem  nenhuma supervisão.
E isso gera identificação, criando um laço de afeto entre o telespectador e os animais.
A narrativa é ágil,  fluída e algumas tiradas são bem divertidas.
Há quem diga que tem uma pegada similar a de Toy Story (Max no lugar de Woody, Buzz no de Duque e ao invés de brinquedos, vários animalitos da vizinhança, perdidos acidentalmente na cidade realizando um resgate.
Também tem um Q de Meu Malvado Favorito onde a mensagem é a de que família e amigos são o que realmente importa por menos tradicionais que sejam.
Aliás, esse é um filme para ser visto em família, com os pets todos reunidos, porque você vai  apertá-los em abraços esmagadores e cobri-los de beijos estalados.
Pets  cumpre o prometido no quesito entretenimento.
E depois do filme render mais de $100 milhões de dólares no final de semana de estreia nos EUA, a segunda aventura dos pets já está confirmada e deve chegar aos cinemas em 2018.
É difícil encontrar uma falha no longa que já nas cenas iniciais conquista o espectador com uma trilha sonora envolvente, marcando ritmo e apresentando o cenário da movimentada cidade de Nova York.

                                                                                       


 Amei como o final tem um plano esplendidamente igualzinho ao do início!

Para quem  ama os pets e curte o gênero animação (eeeeeeeeeuuuuuuuu \0/) Pets – A Vida Secreta dos Bichos, teve todas as expectativas atingidas e superadas.


Abraços Literários e até a próxima.


sábado, 5 de agosto de 2017

"Evereste"-

                                                                                 


Baseado na jornada de um grupo de alpinistas que, em 1996, enfrentou uma trágica tempestade na mais alta montanha do planeta, “Evereste” tem elenco de estrelas e tensão na medida exata.                                                                 
                       


Inspirado nos relatos dos livros “No Ar Rarefeito” de Jon Krakauer, interpretado no filme por Michael Kelly  e “Deixado para Morrer” de Beck Weathers, interpretado por Josh Brolin,  o longa combinou efeitos especiais das cenas de aventura com dramas pessoais dos personagens, inspirados nas verdadeiras vítimas da nevasca que deixou mortos e feridos no pico asiático.
                                                                                 


É um filme de sobrevivência e resiliência.
Keira Knightley e Robin Wright, que pouca atenção tem na película, interpretam as esposas de Rob Hall (Jason Clarke) e Beck Weathers (Josh Brolin), presentes na expedição ao Everest.
Hall, que tem fama de garantir segurança aos clientes  é o líder da expedição organizada pela Adventure Consultants, empresa que criou  e que é conhecida por comercializar perigosas (e caras) escaladas no Everest. Ao longo da trama ele mostra algumas das qualidades que interpreta, não só como líder, mas como montanhista e na forma como mantém relação de proximidade com os clientes.
Seu grupo, composto pela diversidade, conta com objetivos distintos para se envolverem na perigosa aventura, entre eles um carteiro de poucas posses que pretende demonstrar que é um feito ao alcance de todos, um médico que pretendia alcançar o cume do Everest após ter falhado em outra ocasião,  um jornalista que cobre o evento, uma mulher que tinha atingido seis cumes e pretendia bater o próprio recorde; a gerente do acampamento base, a médica e dois guias.
A  popularidade da atividade crescente na época conduziu à criação de outras empresas, como  a  Mountain Madness, liderada por Scott Fisher (Jake Gyllenhaal), bem mais descontraído que Hall.
A parceria entre os dois, que cultivam rivalidade e visões divergentes de trabalho, é selada em razão do contexto da temporada na fronteira do Nepal com o Tibete, seguindo uma arriscada travessia que ganha ares de suspense.
A preocupação devido ao excesso de pessoas no território coloca em risco a segurança de todos então ambos expõem a maneira distinta de trabalhar e pensar dos personagens, um  guia seus clientes com cuidado, garantindo não só que estes subam ao cume, mas também que desçam em segurança enquanto o outro proporciona maior desenvoltura e autonomia.
"Evereste”  evita apresentar heróis e vilões e também não tem a pretensão de apontar responsáveis ou culpados.
Uma tempestade coloca a vida dos alpinistas em perigo, com uma escalada e a posterior descida a revelar-se um pesadelo onde a morte pode chegar a qualquer momento, seja ela de forma rápida ou lenta e dolorosa, características de “filme-catástrofe”. 
Baltasar Kormákur aproveita os efeitos especiais e os cenários (parte do filme foi filmado no Nepal e nos Alpes sob temperatura de -30º C) para nos expor à força inexorável e destruidora da natureza, onde os seres humanos têm de lutar pela sobrevivência.
O cineasta aproveita os recursos técnicos que tem à sua disposição para nos deixar diante da imensidão dos cenários, transmitir  seus perigos e criar um sentimento vertiginoso dando a ideia da enorme altitude de um simples nicho no interior de uma montanha enquanto os corpos se enregelam perante uma tempestade furiosa.
Vale ainda destacar Emily Watson como Helen Wilton, dando enorme credibilidade a esta mulher que coordena as expedições à distância, tendo ainda a difícil tarefa de contatar as famílias dos diversos personagens e o alpinista Guy, papel de Sam Worthington.
O cuidado e a sensibilidade em não explorar o feito de forma sensacionalista merecem crédito.
Antes dos créditos finais, gravações e reproduções de fotos dos alpinistas retratados são apresentados, com um breve esclarecimento sobre o destino de cada um deles após a tragédia.

Visualmente é algo  assustador,  onde o ser humano digladia-se com ele próprio e com a natureza, tendo de enfrentar as suas limitações  e  ultrapassar as adversidades.
Explorando os cenários cobertos de neve, sobretudo quando a tempestade se abate e as sensações voam a uma velocidade inexorável, "Evereste”  revela em um contexto cinematográfico o poder de nos deixar sem palavras diante da grandiosidade do monte representado e da ferocidade da Natureza.

Abraços Literários e até a próxima.


terça-feira, 1 de agosto de 2017

A Sombra do Vento-

                                                                                    


Sinopse: A Sombra do Vento é uma narrativa de ritmo eletrizante cujo enredo mistura gêneros como aventuras de Alexandre Dumas, o gótico de Edgar Allan Poe e os folhetins  de Victor Hugo.
Ambientado na Barcelona da primeira metade do século XX, entre os últimos raios de luz do modernismo e as trevas do pós-guerra,  é uma obra sedutora e é impossível de largar, além de ser uma grandiosa homenagem ao poder místico dos livros, é um  triunfo da arte de contar histórias.
Tudo começa em 1945 quando Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar, o Cemitério dos Livros Esquecidos, uma biblioteca secreta que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo.
É lá que Daniel encontra um exemplar de “A Sombra do Vento”, do também barcelonês Julián Carax que desperta nele um fascínio pelo autor desconhecido e sua obra.”


É difícil falar de Zafón. Sou fã  da escrita apaixonante do autor e para mim ele ocupa um lugar diferenciado entre os escritores.
Mais do que um escritor, é  um artista que pinta palavras e cuja narrativa passeia por todos os gêneros; poesia, ironia, romance, drama, aventura, mistério, fantasia e horror, tudo na medida exata.
Carlos Ruiz Zafón é um clássico que vive e esse livro é uma homenagem aos livros.
Sublime, complexo e tocante com histórias dentro de outras histórias.
Nosso narrador é Daniel, um menino que numa madrugada acorda chorando por não se lembrar mais do rosto da mãe morta.
Seu pai o leva a um lugar misterioso, o Cemitério dos Livros Esquecidos, onde ele encontra um imenso labirinto repleto de livros abandonados.
É costume, da primeira vez que uma pessoa é apresentada ao lugar, “adotar” um livro para si. Daniel encontra uma cópia de um livro chamado “A Sombra do Vento”, de um autor misterioso chamado Júlian Carax.
O menino lê o romance em apenas uma noite e encantado decide procurar outros livros do autor, descobrindo que seus romances estavam desaparecidos, a maioria queimada por um estranho disposto a destruir Carax.
E é então que tudo começa.
Nós acompanhamos Daniel em sua jornada por anos, na qual ele tenta descobrir o que  aconteceu com Julián.
Zafón mostra a evolução, crescimento e amadurecimento de nosso protagonista como pessoa e como personagem.
Ele  mantém seu coração puro, mas erra muito mais vezes do que gostaria de admitir.
O protagonista Daniel assim como os personagens secundários Bea, Carax, Penélope e Férmin não vivem apenas nas páginas, naquele intervalo de tempo em que o livro se passa: todos eles têm um passado, uma elaborada história de vida e um futuro pelo qual torcemos.
Você sente que são “reais”  e nós, expectadores de uma incrível fase de suas vidas.

Esse quote é o primeiro da minha coleção de citações de livros:
 “Cada livro, cada volume que você vê, tem alma. A alma de quem o escreveu, e a alma dos que o leram, que viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro troca de mãos, cada vez que alguém passa seus olhos pelas suas páginas, seu espírito cresce e a pessoa se fortalece.” Página 9.

Esse é daqueles livros que caminham com a gente mesmo após fecharmos suas páginas se transformando numa verdadeira imersão.
É o tipo de livro que você não somente lê, mas um livro que lê você.
 A Sombra do Vento é uma obra-prima na qual tudo se encaixa na medida exata. Onde cada palavra é meticulosamente escolhida, cada vírgula planejada de maneira naturalmente poética, como devem ser os livros e a vida.
E como não se apaixonar de um livro que fala essencialmente de livros?


Abraços Literários e até a próxima.