Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



domingo, 17 de março de 2013

Em Cartaz: Anna Karenina de Tolstói-


                                                                                 


A rigorosa sociedade russa vivia de aparências no século 19, quando o escritor Tolstói decidiu escrever o romance homônimo sobre a personagem Anna Karenina.
A jovem que representa a insatisfação e depressão da aristocracia da época, já foi para o cinema 4 vezes e estreou sexta-feira 15/03/13 nas telonas pela quinta vez, no longa de Joe Wright.
Clássico de roupa nova, com figurinos vencedores do Oscar e direção de arte impecável, o diretor começa as tomadas em plano aberto, nos quais mostra uma moldura ao redor da cena, dando a impressão que tudo se passa dentro de uma pintura, a adaptação da obra de Tolstoi faz bem à mente a aos olhos.
Com roteiro de Tom Stoppard (Shakespeare Apaixonado e O Império do Sol), trata-se de um filme inovador em formato, misturando elementos teatrais, plásticos e cinematográficos para contar a história da mulher casada que ousa ter um caso extra-conjugal na Rússia de 1874.
Anna Karenina tem o que todas as mulheres de São Petersburgo gostariam de ter na época, um marido, Alexei Karenin,  rico e respeitável funcionário do governo, ótima posição social e um filho. Sua vida é dividida entre chás, jantares e idas à ópera.
Um dia ela recebe uma carta de seu irmão Oblonsky pedindo que ela vá a Moscou para ajudá-lo a salvar seu casamento após uma traição. A missão é bem sucedida, mas a viagem também serve para que Anna conheça e se apaixone pelo oficial da cavalaria Vronsky.
Apesar do dilema moral, Anna não consegue ignorar a atração pelo oficial e os dois começam a ter um caso que inesperadamente é tolerado pelo extremamente virtuoso marido de Anna. Porém, boatos começam a surgir e, para o horror de Anna, sua vida secreta torna-se pública. A sociedade então passa a  tratá-la como uma pária.
Agora, Anna precisa contar com a compaixão do marido para que ele não a afaste de seu filho adorado, enquanto lida com a rejeição e o preconceito de amigos, que não aceitam que uma mulher adultera freqüente os mesmos lugares que eles.
A situação chega a tal ponto que Karenin se vê obrigado a pedir o divórcio, e Anna perde todo seu dinheiro e o filho para poder ficar com o amado. Mas mesmo com sua situação “oficializada” ela continua sendo hostilizada, e começa a perceber que ao perder seu status, perdeu também sua liberdade.
Anna Karenina é o terceiro trabalho da atriz Keira Knightley com o diretor Joe Wright. Keira foi a estrela de mais dois filmes de época, “Orgulho e Preconceito” (2005) baseado no livro de Jane Austen, e “Desejo e Reparação” (2007) Baseado em um livro de Ian McEwan.

                                                                              

Apesar da belíssima e interessante fotografia que dá a impressão de se passar dentro de uma pintura ou em um palco de teatro, e dos figurinos vencedores do Oscar, o ponto alto aqui ainda é o texto de Tolstói, seu humor refinado e o retrato que o escritor faz da sociedade russa, um deleite tanto para quem já leu o livro quanto para quem ainda não folheou suas páginas.


Como VCS já sabem aqui tudo termina (ou começa) em literatura.

Abraços literários.

Nenhum comentário:

Postar um comentário