Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



sexta-feira, 15 de maio de 2015

Caneca Literária #22: A Menina que Semeava-

                                                                                   
 


A Caneca Literária de hoje é para VCS que assim como nós amam histórias de amor, mas amor tipo assim incondicional,  amizade e fantasia, e tem no coração toda a esperança do mundo!
As canecas estão lindamente decoradas com plantinhas super no clima de Tamarisk.

                                                                                



                                                                                 



                                                                               



A Menina que Semeava – Lou Aronica

Chris Astor é um homem maduro, um botânico bem-sucedido, mas, especialmente, um pai amoroso. Sua filha Becky é, para ele, seu maior e melhor projeto. Mas a garota, tão amada, tem câncer.
O que pode um pai quando sua filha foi acometida por uma doença assim, nociva? Como diminuir o sofrimento de uma criança tão amada?
Apesar de sua agonia, Chris encontra uma maneira mágica de acolher sua menininha. Para que ela se recupere bem, e mais rapidamente, ele cria um mundo paralelo, cheio de fantasias, e histórias, e personagens maravilhosos que parecem ter o poder milagroso da convalescença.
E nada no mundo, nem sua sanidade, nem seu trabalho, nem mesmo sua ex-mulher serão obstáculos para a determinação deste pai que só tem o propósito de ver sua filha feliz.
Uma história sobre desespero, esperança, invenção e descoberta que ultrapassa qualquer razão, qualquer limite, enquanto você revê tudo aquilo em que acredita.

De vez em quando surge uma história que me surpreende completamente, pois oferece muito mais do que eu esperava; mais profundidade, mais sentimento (...) gostaria de ter mais de cinco estrelas para oferecer. Between the Pages

Um romance de fantasia convincente, que aperta seu coração e enche seus olhos. Muito bem escrito; seu mundo ganha vida em cores vivas na sua mente, e a esperança e a magia irão mantê-lo até tarde da noite a virar as páginas. Spot Minding

Definitivamente um daqueles livros que todo mundo deveria ler. Book Noise


A Menina que Semeava é um título Sick-lit (mais um ...) cujo termo deriva de duas palavras em inglês. Sick, que significa doente ou doença e Lit, que se refere a literatura; o que o torna bem auto-explicativo. Pacientes com severas doenças,  física ou mental que não iludem seus leitores sobre finais felizes. Neste gênero literário os personagens refletem sobre a vida e, sobretudo, o conceito da morte, no entanto, sem ser melancólico.

“É preciso noite para surgir o dia”

Esse era um dos livros pelo qual estava  muito ansiosa para ler e com grandes expectativas. Não me prendo a rótulos por isso o fato de ser um sick lit seria até um fator negativo já que me emociono demais com esse gênero e é quase impossível ler já que me acabo de chorar, o que é devastador, mas o fato de ser uma fantasia convincente, com mundos paralelos, isso sim me atraiu.
A narrativa mescla realidade com fantasia de uma forma esplêndida e a  leitura foi tão presente em demonstrar e sensibilizar a realidade e a imaginação tanto da protagonista quanto dos personagens secundários que encanta, fascina, instiga e envolve.
O amor de Chris por sua filha Becky.
O amor de Polly por sua filha Becky.
Cada um a sua maneira e ambos arrebatadores.
O amor de Becky por Chris e Polly.
Entre os personagens secundários Lonnie, a melhor amiga de Becky, merece um ( ) por sua dignidade, lealdade,  amizade a toda prova,  solidariedade, compartilhamento e sua tamanha generosidade, que não me lembro de ter tido um personagem pelo qual eu me encantasse tanto, há muito tempo.
Lisa, a melhor amiga de Chris.
Al, o padrasto de Becky, responsável em grande parte pelos momentos mais leves, descontraídos e de união.
Gage, o personagem misterioso, uma espécie de “consciência”, que oferece “dons”.
Infelizmente, como nada é perfeito, não consegui gostar de cara da protagonista nem de sua “criação” a princesa Miea.
A Menina que Semeava não é um livro triste, pelo menos não é esse o mote da narrativa, muito menos um livro que vai falar sobre morte.
“Semear” aqui tem o sentido de viver.
           
O autor foi extremamente feliz ao mostrar que a imaginação é importante em nossa vida, quando nos deparamos com problemas, não como fuga, mas como alívio, esperança e conforto.
É isso que Chris e Becky fazem a cada viagem para Tamarisk. É isso que nós fazemos quando lemos um livro, tomamos um café com as pessoas que amamos, quando cuidamos das nossas flores no jardim, quando brincamos com nossos animaizinhos, quando nos entretemos com arte ...
É um romance de esforço, esperança, invenção e redescoberta.
Ele pode muito bem levá-lo a algum lugar que você nunca imaginou que existisse.

Desde o começo fica clara a simbiose entre a saúde de Becky e a praga no reino de Tamarisk, O paralelo que o autor traça entre o reino e Becky é bastante interessante – quando ela está doente, o reino também adoece – a cura de um seria a cura do outro. 
Um livro que trabalha assuntos difíceis como a separação dos pais, câncer infantil e adolescência.
Esse não é um livro sobre adolescentes comuns (nem mesmo é um livro comum), e uma inteligente leitura sobre uma criança que se deparou prematuramente com a ameaça do fim e  teve de aprender a lidar com ele.
Lou Aronica, optou por narrar a história em trechos alternados, ora nos apresentando o que se passa com Becky, Chris, ou outra pessoa do mundo real; ora nos contando sobre o que se passa no reino de Tamarisk.

O livro tem uma edição muito bonita, a capa tem a aura de Tamarisk, toda em azul, aliás,  Blue é o título original da obra. E em minha opinião tanto a capa como o marcador de página estão perfeitamente inseridos no espírito da narrativa.

                                                                                 



A leitura não é agradável, leve ou confortável, mas te arrebata, te faz virar páginas umas após as outras de maneira voraz, e te transporta para um mundo onde há azul por todos os lados, e onde os cheiros predominantes são framboesa e chocolate. Onde os pássaros no céu são criaturas “peludas” que parecem imensas gaivotas e são chamadas de waccasassa e nelas VC pode subir e voar. Onde há animais por todas as partes.
Um verdadeiro paraíso para botânicos, zootecnistas e  para todas as pessoas!
Mas além de toda a fantasia A Menina que Semeava é uma  história de amor.

Decifre os mistérios desse amor e a aventura de salvar Tamarisk. 
                                                                                                                  
E vocês estão esperando o que?
Viajem já  para Tamarisk!
“ Ela cochichou em seu ouvido:
-Pai, VC não vai acreditar nisso: Tamarisk é real.
Então o beijou novamente e foi embora.” (pág 106)

“As cores eram arrebatadoras. Havia azul por todos os lados. Becky achava mais interessante se as folhas das árvores de Tamrisk fosse azuis em vez de verdes.” (pág 133)

“A imaginação tem potencial para alcançar o inimaginável.” (pág 140)


 Uma leitura mais do que recomendada. Imperdível!
E inesquecível.

  
Abraços Literários e até a próxima.



Nenhum comentário:

Postar um comentário