Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



sábado, 12 de março de 2016

A Regra do Jogo: Último Capítulo

                                                                                  



Com o “quem matou Gibson?” foi ao ar ontem, 11 de março, o capítulo de número 167, o último de A Regra do Jogo, novela das 21h, da Globo, denominado O Juízo Final.
Teve emoção e (poucas) surpresas, mas gostei do que vi.
Aliás quero começar dizendo que achei bacanérrimo a abertura de cada capítulo trazer um título que vinha intimamente relacionado ao conteúdo apresentado no dia.
Promessa de sucesso, A Regra do Jogo, enfrentou o fenômeno Os Dez Mandamentos, da Record, e chegou a amargar 19 pontos em dezembro, segundo o Ibope.
Após mudanças, no começo o público não entendeu muito bem a história pelo fato de os personagens não estarem bem definidos entre mocinhos e bandidos, e o fim da produção bíblica alavancou sua audiência para 33 pontos, alcançando 39 na reta final.
Entre o bem e o mal, o amor e o ódio, a família e a facção, enfim, descobrimos que o grande vilão da trama foi o tempo todo, Zé Maria, um personagem desafiador, interpretado com maestria por Tony Ramos.
A novela reuniu grandes nomes da teledramaturgia e esse foi sem dúvida um dos pontos altos de A Regra do Jogo.
O Romero de Alexandre Nero, construído com sutileza e entrega, será lembrado. Sua sintonia com Giovanna Antonelli, a amoral Atena, também, eles repetiram com sucesso a parceria na tv e o  casal “Romena” vai ficar na lembrança dos telespectadores.
Completando o trio do melhor núcleo da novela Tonico Pereira nos apresentou Ascânio, personagem imoral, safado e com muito humor.
José de Abreu, Cássia Kis, Cauã Reymond e Vanessa Giácomo, só para citar alguns, foram responsáveis por bons momentos. A “mãe judia” Adisabeba de Susana Vieira e a infantilidade de Merlô, de Juliano Cazarré, caíram na repetição, mas divertiram por muitos capítulos.
Porém, nem o bom elenco salvou o núcleo da cobertura de Feliciano (Marcos Caruso). O que poderia ter sido um show de interpretação composto por muitos atores na mesma casa, não funcionou e resultou em total falta de graça que foi se agravando à medida que o lugar recebia mais e mais personagens.
A trama policial que tinha tudo para ser tensa, rica, moderna e atual, infelizmente foi bem  irregular. Talvez porque seja difícil manter o suspense durante seis meses. Marco Pigossi teve a inglória tarefa de ser Dante,  um dos piores policiais já visto na TV que com sua ingenuidade e o péssimo timing vai entrar para a história, mesmo assim o ator que é tudo de bom, não perdeu o foco, e mesmo nas situações mais inusitadas teve bom desempenho.
A entrada da maravilhosa Deborah Evelyn, com sua personagem Kiki, que foi seqüestrada pelo próprio pai e mantida em cativeiro por longos anos trouxe novo fôlego ao enredo. 
Só para constar foi Kiki quem matou Gibson.
Merecem elogios ainda a inspiração dos cenários e figurinos, a câmera e a luz, e o talento da direção de Amora Mautner (diretora de Cordel Encantado e Avenida Brasil) que inovou na forma de fazer novela utilizando “caixa cênica”, cenários fechados com 8 câmeras que rodeiam os atores e os seguem pelo set de gravação, como em um reality show.
No mais, a trama de João Emanuel Carneiro sai do ar com números mais altos do que quando chegou e mais qualidades que defeitos.
Fica a mensagem de que ninguém é só bom ou ruim, que temos dois lados, mas que somos capazes de escolher em que lado queremos estar.
E é claro, a frase que vai ficar na cabeça dos telespectadores: Vitória na guerra!


Abraços Literários e até a próxima.


Nenhum comentário:

Postar um comentário