Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Quotes de Caio Fernando de Abreu-

                                                                                  


Caio Fernando Loureiro de Abreu nasceu em Santiago do Boqueirão, no Rio Grande do Sul, no dia 12 de setembro de 1948.
Iniciou os cursos de Letras e Artes Cênicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mas abandonou ambos para trabalhar como jornalista. Começou a carreira em 1968 na primeira redação da revista Veja.
Nesse mesmo ano, perseguido pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), refugiou-se em São Paulo, na casa a escritora Hilda Hilst. Fugindo do regime militar no Brasil dos anos 70 morou na Espanha, Inglaterra e França, retornando a cidade de Porto Alegre em 1974.

                                                                              


Caio escreveu vários romances e contos, entre eles, “Pedras de Calcutá” (1977), “Morangos Mofados” (1982), o livro que o tornou popular, “Os Dragões Não Conhecem o Paraíso” (1988), “Onde Andará Dulce Veiga?” (1990) e “Limite Branco” (1994).
Consagrado pelo público on-line alcançou incrível popularidade com a inclusão de seus textos em inúmeros perfis e fanpages falando com simplicidade e de maneira direta  sobre temas de interesse universal, como amor, sexo, solidão e morte.
Portador do HIV faleceu no dia 25 de fevereiro de 1996.
Reunimos aqui  algumas das mais conhecidas citações de Caio Fernando Abreu  seja por sua transparência, doçura, enfrentamento de suas dores ou paixão pela vida.

 “Não sou pra todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes têm um céu azul, outras tempestades. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente. Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso. São necessárias.”

 “Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada ‘impulso vital’. Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como ‘estou contente outra vez’.”

 “Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e dizer uma coisa terrível, mas que tem que ser dita. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e ouvir uma coisa terrível, que tem que ser ouvida. A vida é incontornável. A gente perde, leva porrada, é passado pra trás, cai.
Dói, ai, dói demais. Mas passa. Está vendo essa dor que agora samba no seu peito de salto agulha? Você ainda vai olhá-la no fundo dos olhos e rir da cara dela. Juro que estou falando a verdade. Eu não minto. Vai passar.”

 “Que seja doce o dia quando eu abrir as janelas e lembrar de você. Que sejam doces os finais de tardes, inclusive os de segunda-feira – quando começa a contagem regressiva para o final de semana chegar. Que seja doce a espera pelas mensagens, ligações e recadinhos bonitinhos. Que seja (mais do que) doce a voz ao falar no telefone. Que seja doce o seu cheiro. Que seja doce o seu jeito, seus olhares, seu receio. Que seja doce o seu modo de andar, de sentir, de demonstrar afeto. Que sejam doces suas expressões faciais, até o levantar de sobrancelha. Que seja doce a leveza que eu sentirei ao seu lado. Que seja doce a ausência do meu medo. Que seja doce o seu abraço. Que seja doce o modo como você irá segurar na minha mão. Que seja doce. Que sejamos doces…”

“Ando com uma vontade tão grande de receber todos os afetos, todos os carinhos, todas as atenções. Quero colo, quero beijo, quero cafuné, abraço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento e cheiros, quero parar de me doar e começar a receber”.

“Que eu saiba puxar lá do fundo do baú um jeito de sorrir pros nãos da vida. Que as perdas sejam medidas em milímetros e que todo ganho não possa ser medido por fita métrica, nem contado em reais. Que as relações criadas sejam honestamente mantidas e seladas com abraços longos. Que eu possa também abrir espaço pra cultivar a todo instante as sementes do bem e da felicidade de quem não importa quem seja, ou do mal que tenha feito pra mim. Que a vida me ensine a amar cada vez mais de um jeito mais leve. Que o respeito comigo mesmo seja sempre obedecido com a paz de quem está se encontrando e se conhecendo com um coração maior. Um encontro com a paz e o desejo de viver.”

“Para atravessar agosto ter um amor seria importante, mas se você não conseguiu, se a vida não deu, ou ele partiu – sem o menor pudor, invente um. Pode ser Natália Lage, Antonio Banderas, Sharon Stone, Robocop, o carteiro, a caixa do banco, o seu dentista. Remoto ou acessível, que você possa pensar nesse amor nas noites de agosto, viajar por ilhas do Pacífico Sul, Grécia, Cancún ou Miami, ao gosto do freguês. Que se possa sonhar, isso é que conta, com mãos dadas, suspiros, juras, projetos, abraços no convés à lua cheia, brilhos na costa ao longe. E beijos, muitos. Bem molhados. Não se lembrar dos que se foram, não desejar o que não se tem e talvez nem se terá, não discutir, nem vingar-se, e temperar tudo isso com chás, de preferência ingleses, cristais de gengibre, gotas de codeína, se a barra pesar, vinhos, conhaques – tudo isso ajuda a atravessar agosto.”

"Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia, me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar em tudo de novo, que nos faça acreditar em tudo outra vez.”

“Quem só acredita no visível tem um mundo muito pequeno. Os dragões não cabem nesses pequenos mundinhos.”

                                                                                 



Vocês já leram algum livro de Caio Fernando de Abreu?
Qual??
De qual citação mais gostaram???


Abraços Literários, beijos poéticos  e até a próxima!

12 comentários:

  1. não li nenhum dele!
    curti muito a última citação! <3

    xoxo
    Guria do Século Passado

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não li nenhum livro dele, mas as citações dele são incríveis. Bom Carnaval, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    http://paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li nenhuma obra do Caio Fernando de Abreu, mas as suas indicações dos livros dele são fantásticos, muitos bons, gostei muito pelo livro Morangos Mofados, fiquei bastante curiosa, Luli bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Luli, tudo bem?

    Eu acho que nunca li nada do autor antes, mas adorei os trechos selecionados. este foi o meu favorito, acho que ando me sentindo assim tb:

    “Ando com uma vontade tão grande de receber todos os afetos, todos os carinhos, todas as atenções. Quero colo, quero beijo, quero cafuné, abraço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento e cheiros, quero parar de me doar e começar a receber”.

    Beijocas, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi Lulyyyy iluminadaaaa, vejo tanto falar desse autor , desde a época da escola, mas ainda não li nada dele, infelizmente né.
    Que morte trágica a dele não?!
    Adorei as citações/quotes, são lindos, realmente uma escrita maravilhosa. bjus de Luz pra ti guria, té mais.

    ResponderExcluir
  6. Eu amo o trabalho do Caio, acho maravilhoso. Inclusive tenho um livro dele! ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  7. Hello, minha linda Luli! ☕ 📖

    Eu nunca li nenhuma obra dele, mas sou fã de suas citações.
    O Caio Fernando Abreu escrevia com a alma.

    Tenha um ótimo feriadão, tudo de bom pra ti!
    Bjos no seu ♥
    Andréa 🌺🌺🌺

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li nenhuma obra dele, gostei dos quotes!

    Beijos!

    EsmaltadasdaPatyDomingues

    ResponderExcluir
  9. Oi, Luli!

    O clima parece de deserto mesmo (e só um desodorante potente pra ajudar! hahaha)! Mas graças a Deus hoje choveu e deu uma aliviada no calor! \o/

    Adorei essa seleção de citações de Caio Fernando de Abreu! Gostei em especial das duas primeiras, que se encaixam perfeitamente no momento que estou. Acho que já li algum livro dele... Mas não tenho certeza! hahaha!

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderExcluir