Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Temática Indígena-

                                                                                  

O Brasil é um celeiro fértil para a mitologia. 
Nosso país é formado a partir da diversidade de mitos de  diferentes grupos que aqui se estabeleceram, trazendo consigo narrativas que contavam seus sonhos, seus medos, seus deuses e suas origens.
Esses povos atracaram em uma terra onde já havia um conjunto de saberes ancestrais mantidos por povos nativos, os indígenas.
Os colonizadores ignoraram totalmente os saberes nativos e dizimaram ou reduziram a diversidade em um único (pré)conceito que chegou até os dias atuais.
Resgatar essa diversidade é um trabalho árduo, é preciso começar  explicando os fenômenos naturais utilizando uma linguagem simbólica e, assim, aproximando os homens dos feitos dos deuses.
Povos do mundo todo usaram esse método, conhecemos muitos deles por conta da educação que recebemos ter origem na Grécia Antiga, o berço da civilização ocidental.
Do mesmo modo, os povos indígenas brasileiros desenvolveram essa leitura do mundo para explicar o que para eles era inexplicável: a origem do mundo e das coisas, os ciclos da natureza, a condição humana de homem ou mulher, os lugares sociais de cada um, a grandiosidade do cosmos, a vida e a morte.

A proposta de hoje é ousada!
Indicações de livros indígenas, alguns escritos por índios, outros por pesquisadores.
Um resgate da cultura indígena.


                                                                                 

A Terra sem Males: Mito Guarani
Jackson de Alencar

O mito guarani de A Terra sem Males é o foco desta obra direcionada para o público infantojuvenil. À simplicidade da narrativa somam-se a complexidade do mito e sua relevância na cultura guarani. O leitor não índio, possivelmente, construirá um diálogo de parte do mito com a narrativa bíblica do Dilúvio, mas a narrativa abre as portas para uma discussão sobre as especificidades da cultura desse povo. Informações que seguem a narrativa são acompanhadas por grafismos geométricos, que dialogam com formas de expressões indígenas. Questões diversas, como a história dos guarani, a resistência e diversidade indígena no Brasil, as migrações e a demarcação das terras podem ser aprofundadas, servindo como propostas para pesquisa.


Das Crianças Ikpeng para o Mundo Marangmotxíngmo Mïrang
Rita Carelli

Os pequenos ikpeng são os guias de uma narrativa que descreve 24 horas em sua aldeia. O texto, acompanhado do filme que o inspirou, em um enredo circular e edição bilíngue, é ideal para apresentar a cultura do povo ikpeng, do Mato Grosso. A linguagem é sucinta, mas cheia de informações e possibilidades de discussão sobre o que aproxima e o que diferencia o povo ikpeng de outras culturas.
Tarefas, brincadeiras, costumes passados e presentes, festas e rituais, objetos ancestrais e cotidianos, papéis sociais, medos e perigos da floresta, além de mudanças incorporadas pelo contato com culturas europeias, fazem parte da obra. O texto promove a abertura cultural ao outro e constrói pontes para a compreensão das diferenças sem preconceitos.


Kurumi Guaré no Coração da Amazônia

De autor amazonense Yaguarê Yamã
, a obra narra aventuras infantis e descreve o povo maraguá. Além de acompanhar registros da memória do narrador e  ensinamentos dos povos da floresta, o leitor pode observar a composição  do texto e os símbolos maraguá. Grafismos indígenas constituem uma poética que traduz uma  expressão de identidade e contam histórias complementares.
 A compreensão da obra envolve uma leitura dos símbolos maraguá, do Glossário Nheengatú e de termos regionais amazônicos.
Há um enredo nos desenhos da obra de Yamã que lança o leitor para uma rede de significados construídos na interação entre palavra e imagem.


Wamrêmé Za’ra: Nossa palavra – Mito e história do povo xavante, de Sereburã; Hipru; Rupawê; Serezadbi; Sereñimirâmi.

Uma carta nas páginas iniciais desta obra marca o tom do texto xavante.
Um envelope contendo a carta inclui cartões-postais com ilustrações que narram histórias encontradas nos objetos de arte dos povos indígenas.
Como um prefácio, as imagens anunciam as palavras da aldeia Pimentel Barbosa. Suas vozes foram gravadas e traduzidas para a escrita por xavantes do Núcleo de Cultura Indígena. Em edição bilíngue, o texto é acompanhado por desenhos de jovens artistas da aldeia, fotos dos xavante e dos warazu, não índios, e por um panorama histórico que vai do século XVI ao século XX.


Sepé Tiaraju: Romance dos Sete Povos das Missões
Alcy Cheuiche

Há obras que buscam reconstruir, pela ficção, figuras indígenas heroicas.
É o caso do romance que, narrado pela perspectiva de um jesuíta, em um vaivém da memória, destaca a resistência dos Sete Povos das Missões (RS) e de um dos líderes e guerreiros indígenas do Sul do Brasil, Sepé Tiaraju.
No texto, Tiaraju é apresentado pela visão do colonizador, Michael, ou Padre Miguel. Seu olhar constrói o herói indígena e a história da colonização dos povos indígenas pela missão catequizadora dos jesuítas e pela política europeia. Documentos históricos, como os tratados de Tordesilhas e de Madrid, além de conflitos e migrações indígenas formam o contexto da obra.


Amazonas: Pátria da água
Water Heartland

Com prosa e poesia, Thiago de Mello  conduz os leitores em uma viagem pela extensão do Rio Amazonas, percorrendo sua história e dos homens que nele navegaram: os índios que chegaram à Amazônia, as icamiabas, os exploradores e cronistas europeus e o poeta. Nesta edição bilíngue, que conta com as fotografias de Luiz Cláudio Marigo, o poeta descreve com suavidade a beleza das águas, da floresta, das plantas e dos animais da Amazônia e trata de seus espíritos protetores, que tentam defender a floresta da ganância, do lucro e  da caça predatória, retratando os cantos dos índios, suas angústias e suas esperanças.




Maíra
Darcy Ribeiro

O entrelaçamento das culturas indígenas e europeias nunca esteve tão em evidência quanto neste romance de Darcy Ribeiro. Nele, o autor emprega seus conhecimentos para criar uma obra com esferas culturais e vozes narrativas que se cruzam: dos índios, dos não índios e dos seres sobrenaturais.
O texto revela o encontro de Avá/Isaías, um índio mairum que se torna sacerdote cristão, e Alma, jovem carioca que vive com os índios. A história tem início com uma investigação policial, mas conduz à investigação das identidades culturais brasileiras, em uma narrativa cuja confluência de discursos é projetada no capítulo final.
Vale muito a pena ler esta obra para apreciar seu caráter multicultural e literário.




Abraços Literários e até a próxima.


25 comentários:

  1. Confesso que não conheço muito sobre esta temática mas sem dúvida que é importante para conhecer a história de um país!
    Beijinho
    https://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  2. é muito bom que venham ampliando as obras temáticas de índios. a novela novo mundo está fazendo um belo papel nesse tema. fiquei com vontade de ler todos. naquele livro do hatoum, órfãos do eldorado, o autor conta algumas lendas que eram passadas pela oralidade. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Hello, minha linda Luli! Bom dia! ☕🍞☕🍞☕

    Que legal essa postagem, para celebrar o dia do índio.
    Uma pena que os índios não são valorizados em nosso país, eles que foram os primeiros a habitarem nessas terras.


    Beijinhos no seu ♥

    ResponderExcluir
  4. Olá Luli
    ótima proposta de leitura, eu mesma só tive contato com
    livros assim quando eu estava no ensino fundamental, e depois nem de longe se era lembrado os indígenas.
    Bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que incrível! Sempre pensei que a mitologia indígena não é explorada adequadamente, pois é realmente muito fértil. Adorei as indicações, vou procurar algum para ler, sem dúvidas. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia nenhum desses livros. Eles parecem ótimos para ensinar sobre a cultura indígena para os + jovens.

    Beijos/Xoxo.

    Anete Oliveira
    Blog Coisitas e Coisinhas
    Fan Page Coisitas e Coisinhas
    Instagram

    ResponderExcluir
  7. OIeee... muito boa essa postagem! É preciso resgatar nossa cultura e nunca deixar com que ela se perca. E como isso? Registrando. Essa postagem me fez lembrar desse livro aqui: http://palomaviricio.blogspot.com.br/2012/04/resenha-amazonia-um-caminho-para-o.html
    Passa lá no blog e confere as novidades.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  8. mt bacana essas indicações para conhecermos mais e valorizarmos a cultura indigena que faz parte de nós!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  9. Luli que incríveis os livros, devemos sempre buscar essa cultura indígena pois a cultura indígena é a história do Brasil. Excelente as sugestões de livros para nós, Luli bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
  10. Que post incrível, Luli. Amei os livros que você selecionou! ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  11. Postagem maravilhosa amei, obrigado pela visita.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  12. E agora fiquei com um problema sério pq quero ler todos!
    Amiga, minha bisa era índia e a outra portuguesa. Que mistureba né? Kkkk
    Bjsss e um maravilhoso feriadão p/vcs

    ResponderExcluir
  13. Oi Luli! Vc sabe o que sinto lendo este post né? vergonha! pura vergonha de mim mesma pq nunca li nenhum dos livros e sou um completa ignorante no tema, mas a vida é assim, vivendo e aprendendo, nunca é tarde pra adquirir novos conhecimentos! O post ficou sensacional! Parabéns!

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
  14. Já li um pouco de Darcy Ribeiro e lembra o que tu escreveu no seu post.
    Bj
    Vidrinhos & Feminices
    Fanpage
    Instagram

    ResponderExcluir
  15. nunca li nada dessa temática!
    aqui no RS isso é bem ligado aos CTGs! mas nunca tive interesse em estudar sobre! devo mudar isso haha

    xoxo
    Guria do Século Passado

    ResponderExcluir
  16. Tb nunca li essa temática. Esqueceu de incluir Iracema do José de Alencar.
    big beijos

    ResponderExcluir
  17. Adorei as dicas! É um tema que sempre me interessou. Lembro de um trabalho da faculdade sobre poesia indígena e foi o que mais gostei de fazer.

    ResponderExcluir
  18. Oi Luli!
    Que inciativa incrível!Muitas pessoas esquecem o papel fundamental do índio pra nossa história.Primeira pessoa que vejo indicar e falar sobre livros com a temática indígena e livros escritos por índios.Precisamos de mais iniciativas assim pro resgate da nossa cultura.
    Foi o que a Mi disse:vergonha por nunca ter lido nada dessa temática,mas por isso que postagens assim são incríveis por abrir nossa mente e ampliar os horizontes.
    Já anotei os livros pra procurar!
    Beijos!

    http://livreirocultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi minha florzina linda
    Das sugestões que você trouxe eu já li A Terra sem males e Maíra. As outras ainda não conheço mas vou cuidar de ler o quanto antes. Uma iniciativa maravilhosa você abordar este tema aqui e com obras primorosas
    Um beijinho doce querida Luli

    ResponderExcluir
  20. Não conheço nenhuma das obras, não estou muito envolvida na temática. Já vi alguns documentários, mas as obras eu desconhecia!


    Beijos!

    EsmaltadasdaPatyDomingues

    ResponderExcluir
  21. OI LULI

    não é uma miragem: sou eu mesma! HAHAHAH não tá sendo fácil viver sem pc, então desde já eu peço desculpas por esse sumiço ridículo, viu? :(

    então... achei ousada e super necessária a proposta desse post. O BR tem toda a sua base na cultura indígena e a gente passou a ignorar criaturas tão sábias e entendedoras da humanidade como nunca conseguiremos ser. Uma pena que não haja essa valorização, né? :(

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  22. Oi, Luli!

    Bom é ter alguém próximo que viaja direto pra fora do país, né?! Assim dá pra pedir alguma coisa sempre! hehehe! ;D

    Adoro esse resgate da cultura indígena, que é realmente tratada até hoje com preconceitos! Amei a seleção de livros (apesar de não conseguir pronunciar a maioria dos títulos! hahaha), ainda mais que tem obras que podem ser lidas pelos mais jovens. Vou tentar falar para os meus sobrinhos sobre elas!

    Ótimo domingo!

    Beijo! ^^

    ResponderExcluir
  23. Depois que atendi índios, quando trabalhei no Hospital Universitário de Brasília, passei a detestar índios.
    Foi horrível minha experiência com eles.
    .

    ResponderExcluir
  24. Ótimas dicas, Luli.
    Nós lemos tanta coisa estrangeira e quase nada nacional,né?
    Adorei!

    Beijoooo

    ResponderExcluir