Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

A Arte das Capas #6

                                                                                 



A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak

A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.
A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso de crítica e público.
    
                                                                             



Em resumo, é um romance, narrado pela Morte,  sobre a infância de uma menina pobre, tentando sobreviver na Alemanha nazista – antes e durante a 2º Guerra mundial.
Apesar da narradora, o livro não possui  conteúdo sobrenatural ou fantástico.
O artifício traz intensidade à obra, naturalmente tornando a leitura reflexiva.
E assim o livro começa: com a morte se apresentando e apresentando considerações sobre si mesma e a humanidade e se prepara para começar a falar de uma humana em especial que chamou sua atenção.
Ela se refere a menina como “A roubadora de livros” e a narrativa se desenrola de forma não linear.
Tem  início da saga da nossa protagonista, Liesel,  uma  menina de quase 10 anos à caminho de um lar adotivo, que não consegue absorver o impacto de ver seu irmão  morrer  e se agarra a ele pegando no chão do cemitério um pequeno livro que caiu do bolso de um dos coveiros. Ela não sabe ler, mas precisa daquela lembrança. Ainda mais importante quando é entregue para ser criada por um casal de completos desconhecidos.
A mãe adotiva, apesar de rigorosa, se mostra compreensiva e observadora também.
O pai adotivo é  um herói silencioso, amoroso e amável.
Liesel aprende a amar os pais adotivos. Como qualquer criança tem amigos, e Rudy é o seu melhor amigo.
Os livros,  ela passa a considerá-los como tesouros ao mesmo tempo que a emoção de roubar um desses tesouros se torna uma válvula de escape.
Com os livros que rouba ela aprende a ler com dificuldade e pouca ajuda. Mas a dificuldade faz ela se aprofundar nos livros muito além das histórias.
 As dificuldades na vida de uma criança  que não entende como as coisas são.
Pobre,  sofre como qualquer criança que não tem quase nada e vive com fome por falta de comida, mas é guerreira e não se deixa subjugar.
Não é a história de uma vítima, é a história de uma lutadora.
Sonha com um mundo, vive em outro (cruel), e tenta sobreviver da melhor maneira possível entre os dois.
Um livro com narrativa bem estruturada,  forte e  impactante.

Não por acaso, com o lançamento da adaptação cinematográfica no início do mês, fiz uma relação com O menino do pijama listrado.
Ambos falam da visão de crianças sobre a 2ª Guerra Mundial,  sobre amizade, sobrevivência, sentimentos profundos e envolventes que fazem refletir por muito tempo.

                                                                                   



A capa, como podem conferir,  é cheia  de  simbolismos,  incluindo as três cores que são utilizadas nela.


Abraços Literários e até a próxima.



Nenhum comentário:

Postar um comentário