Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



terça-feira, 13 de maio de 2014

Cine Clube #9: 12 Anos de Escravidão-

                                                                                 



Doze Anos de Escravidão é antes de tudo um livro pelo qual se pode compreender um pouco mais sobre os EUA dos 1800. Embora o foco da narrativa esteja centrada no relato pessoal de Solomon Northup, pode-se ver claramente aspectos do norte e do sul dos EUA, que posteriormente culminariam na famosa Guerra de Secessão.
Em suma, a história real e trágica de Solomon Northup, negro livre, violinista e nortista se inicia em 1841, quando ao aceitar uma proposta emprego duvidosa, acaba sendo seqüestrado e vendido como escravo para o estado da Louisiana. Casado e pai de dois filhos, ele se vê longe de seus entes queridos por doze longos anos, quando em 1853 conseguirá sua liberdade de volta.

Sobre a  escravidão, não se pode esquecer o quanto o negro era visto como um “objeto” desprovido de subjetividade e, por conseguinte, maltratado, torturado. Solomon não nega isso, assim como não obscurece o fato de existirem senhores a quem chamava de “bons”, evidenciando não apenas uma faceta do sistema escravagista.
Percebe-se na leitura o quanto ele tenta resgatar com fidelidade os fatos que lhe ocorreram durante o tempo em que fora escravizado, dando ao leitor a tarefa de tirar as próprias conclusões sobre o sistema escravagista, sobre o senhor e a senhora (bem diferente dos filmes fofos e românticos com as “sinhazinhas” e os filhos de senhores que lutavam ao lado dos oprimidos), os traficantes de escravos e os próprios escravos, personagens que não são simplesmente bons ou totalmente maus, mas, sobretudo seres humanos, homens e mulheres do seu tempo que agiam de acordo com os seus interesses, como protagonistas de sua história.
Relato autobiográfico e história de vida emocionante.

                                                                                


O diretor Steve McQueen disse uma vez em entrevista que a história era como “um roteiro de cinema, pronto para ser filmado.” E quem já viu o filme percebe o quanto o diretor se esmera em transpassar os detalhes presentes nos cenários, nas personagens e nas cenas de horror.
Poucos retrataram tão bem o drama da escravidão, não só nos Estados Unidos como no mundo todo, como o diretor Steve McQueen
O filme é baseado no livro e conta a história real de  Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um cavalheiro livre  e letrado do norte, de 1841, que vivia uma vida agradável com sua família até ser enganado por uma oferta de trabalho, sendo vendido como escravo alguns anos antes da abolição da escravidão nos EUA, sendo levado para o sul.
O cotidiano cruel dos escravos é mostrado com exatidão, com o enfoque em Northup e em sua amiga Patsey  (Lupita Nyong'o atriz estreante que ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante), que sofrem principalmente nas mãos do fazendeiro Edwin Epps (Michael Fassbender) e sua esposa, que constantemente apelam com violência contra os dois, tratando os negros como meros objetos de trabalho.
As cenas onde Patsey recebe chibatadas são dolorosamente reais e comoventes, retratando o preconceito e a crueldade do ser humano  com seu próximo.
O protagonista depois de 12 anos na escravidão, conhece o construtor canadense Bass (Brad Pitt, em uma ponta no filme), que vai auxiliá-lo.
O canto de lamúria dos escravos nas fazendas também é lindo e triste, lembrando que foi ele que inspirou a música blues e o rock, posteriormente. Esta é a base da trilha sonora.
É, sem dúvida, Oscar (2014) de melhor filme mais merecido dos últimos anos.
O filme também recebeu Oscar de melhor atriz coadjuvante e melhor roteiro adaptado.         
Chiwetel Ejiofor interpreta Salomon de maneira sensível, sem recorrer ao dramalhão e as lágrimas para sustentar o desespero de seu personagem por sua situação.
Michael Fassbender tem uma atuação digna de Oscar: De seu sotaque a todos os detalhes de seu cruel vilão, Epps (Fassbender) conseguiu me fazer odiá-lo. 
Lupita Nyong'o interpreta a escrava chamada Patsey, por quem Epps é completamente obcecado. Patsey é uma personagem muito sofrida sem qualquer esperança de saída ou redenção, Lupita mereceu todos os prêmios que ganhou por esse papel! Extraordinária atriz numa interpretação majestosa.
Não é um filme fácil de assistir, no entanto, é um daqueles filmes que todas as pessoas deveriam assistir. Não há catarse, não há alívio: Há apenas a reflexão da enormidade do que foi a escravidão nos Estados Unidos e na enormidade do dano causado.
Acredito que esse seja um dos motivos para que 12 Anos de Escravidão seja tão comentado e elogiado. Para vocês terem uma ideia esse filme será distribuído em escolas americanas, como material de estudo para os alunos. Essa é a enormidade de '12 anos de escravidão': um filme que foi feito comercialmente e que será utilizado como conteúdo em aulas de histórias, para que a história real seja discutida em sala de aula.
É um filme com um assunto sobre o  qual os americanos ainda precisam falar e discutir embora não seja necessário ser um americano para refletir sobre as consequências da escravidão para o mundo e para as pessoas.
Um filme maior do que apenas um filme, contextualizado, necessário, atemporal e reflexivo.
Recomendado.



Abraços Literários e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário