Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



quinta-feira, 31 de julho de 2014

Cine Clube #11: Meu Malvado Favorito e Meu Malvado Favorito 2

                                                                                  


Atualmente são produzidos muitos filmes de animação, mas poucos apresentam um roteiro realmente bom. O gênero tem feito cada vez mais sucesso com o público, no entanto a maioria dos filmes atuais somente se destaca pelas excelentes direções de arte, que garantem um grande apelo estético, mas não conseguem prender pela história.
Claro que podemos destacar exceções como “Up – Altas Aventuras”, “Mary and Max” e outros mais antigos como “Toy Story” e “Monstros S.A”. Porém, são poucos os desenhos atuais que realmente  chamam atenção. O filme “Meu Malvado Favorito” (“Despicable Me”, no original) também  se encaixa perfeitamente no quadro das exceções.
A trama gira em torno do cientista e  maior vilão do momento, Gru, que tem seu posto colocado em xeque por um vilão novato, chamado Vetor.
Um dos pontos interessantes do roteiro é o protagonista ser um vilão. É ele que nós acompanhamos ao longo do filme. E esse fato se torna ainda mais interessante se observarmos que os vilões estão fazendo cada vez mais sucesso com o público.
Mas Gru não é essencialmente um homem mau, está mais para alguém antissocial, suas atitudes soam mais como implicâncias do que ações cruéis, como quando estourou um balão de um garotinho ou furou a fila de um café usando um raio congelante. E, ao longo do filme, percebemos que essas atitudes são frutos de traumas de infância e da relação que ele tinha com sua mãe.

Para recuperar o posto perdido, Gru decide roubar a lua, só que para isso ele precisa de um raio encolhedor que Vetor, roubou. Gru então decide adotar três meninas, Margo, Edith e Agnes.
A chegada das três garotinhas, que são contempladas com doses extras de fofura – especialmente a mais nova, Agnes -, representa uma mudança na vida do vilão. Inicialmente Gru as adotou apenas para que elas o ajudassem a entrar na casa de Vetor, pois elas vendiam biscoitos que o inimigo adorava. Depois, a falta de paciência com as pequenas meninas se transformou em um grande carinho e a chance de sentir o que é ter uma família de verdade
O relacionamento do Gru com as meninas faz com que ele reveja seus conceitos e fique em dúvida se deve seguir com suas malvadezas.

Este filme tem um enredo excepcional, extraordinariamente bom. Qualquer pessoa em qualquer idade vai gostar.
As situações que envolvem os quatro são ao mesmo tempo engraçadas e tristes. Engraçadas porque três meninas pequenas e fofas junto com um vilão contraria tudo. E se você pensar que esse vilão se envolve em mil confusões tentando em vão se apegar a elas tudo fica ainda mais engraçado.
O filme utiliza um humor bastante refinado com boas piadas seja nos diálogos ou nos jogos de cena.
A parte triste fica por conta de como foi bem construída e apresentada a adoção no sentido da expectativa de uma criança que espera por uma família.
Temas como adoção e a falta de atenção de alguns pais com seus filhos são tratadas de maneira muito sutil. Quantas crianças adotadas não passam por problemas com a nova família? E quantas não conseguem sequer serem adotadas? E  aquelas que não recebem carinho dos próprios pais. Quais são as consequências disso para o futuro delas? Tudo isso é exposto no filme de uma forma inteligente e sensível.

Nesta animação conhecemos também os minions, criaturinhas amarelas e fofíssimas pelas quais todos vão se apaixonar, ajudantes do Gru nas suas maldades.

                                                                              


Em 3D, algumas cenas ficaram simplesmente perfeitas, como a da montanha russa no parque de diversões.

                                                                                 



Não imaginava que teria uma continuação, uma vez que o filme não propõe isso, já que  o final é nota 10 e não deixa pontas soltas, muito bem alinhavado.

                                          



Em Meu Malvado Favorito 2, Gru, agora um homem de família que coloca sempre em primeiro lugar suas filhas, deixou a vilania de lado. Mas o roubo de uma fórmula que transforma os seres vivos em maus, vai fazer com que o Gru pense como vilão novamente e descubra quem roubou e onde ela está escondida. Para isso, ele precisará trabalhar para Liga Antivilões, uma organização secreta que descobre e pune os vilões, ao lado da agente Lucy. No começo a relação deles é um tanto conturbada, mas com o  transcorrer da trama os dois passam a ter uma parceria não só para descobrir quem roubou a fórmula.

Na parte técnica, destaque para a excelente direção de arte e fotografia.
A trilha sonora chama a atenção pelo simples fato de ser perfeita e as músicas originais inseridas  combinarem 100% com o enredo.
Além das músicas compostas especialmente para o filme serem excelentes, também estão na lista outras mais famosas como “Sweet Home Alabama” de Lynyrd Skynyrd, “You Should Be Dancing” dos Bee Gees e até a clássica “Garota de Ipanema” de Vinícius de Moraes e Tom Jobim.

Particularmente gostei muito dos dois filmes e não saberia escolher entre um e outro, os dois são muito bons, mas uma ressalva talvez seja o fato de que o segundo filme tenha uma trama mais bem elaborada e seja ainda mais divertido, as risadas fluem o tempo todo, e a dinâmica do filme que antes era focado só no Gru, apresenta histórias  paralelas. Além disso, o filme tem muito mais cenas dos minions, o que provoca mais risadas com aquela língua deles que ninguém entende. Isso é meio que um preparo para 2014, ano que os ajudantes amarelos ganham o seu filme solo. Eles também participam diretamente do clímax do filme, o que revela uma importância maior deles do primeiro para o segundo.

Com direção de Pierre Coffin e Chris Renaud e o roteiro de Ken Daurio e Cinco Paul, Meu malvado Favorito 2 já tinha a fórmula do sucesso com o primeiro e acrescentou mais ingredientes interessantes no segundo, o que o tornou mais engraçado e colorido.
Com o final não me parece que haverá sequência, mas eu pensei assim também com relação ao primeiro. O que me faz pensar em mais um ponto positivo da narrativa: os filmes podem ser assistidos sem nenhum problema individualmente como na sequência, pois são bem costurados.

Recomendadíssimo.

Abraços Literários.


Nenhum comentário:

Postar um comentário