Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



domingo, 1 de junho de 2014

Romeu e Julieta de Shakespeare-

                                                                               
 

Nesse mês que comemoramos o dia dos namorados nossos posts entram no clima de puro romance!
E começamos muitíssimo bem, com o clássico da literatura universal, atemporal e ainda hoje atual, Romeu e Julieta.

Um dos casais mais famosos, se não o mais famoso da literatura universal, a tragédia aclamada e apreciada por todos, tanto em livros como em teatros, cinema e até na sobremesa de queijo com goiabada. Uma das primeiras obras de William Shakespeare escrito entre 1591 a 1595.
É possível contar nos dedos quantos livros são capazes de nos fazer vivenciar a história. Principalmente nos levar à antiga e romântica Verona de 1951.
Deparamo-nos com uma obra desse tipo quando nos deixamos levar pelos sentimentos  intensos de “Romeu e Julieta”, um dos maiores presentes deixados pelo gênio inglês William Shakespeare.
A trama se passa na antiga Verona do século XVI, e põe em cena a rivalidade entre os Montecchios e os Capuletos, uma briga de famílias que acabou por ajudar o destino à selar o final de dois jovens amantes.
Em um baile de máscaras na casa dos Capuletos, Romeu Montecchio conhece Julieta Capuleto. A paixão é mútua e instantânea. Ao descobrir que pertencem a famílias inimigas, os dois se desesperam. Mas o ódio de uma guerra que não lhes pertencia não consegue sobrepujar o amor do casal (afinal, o que é um nome?), que opta por se casar secretamente, com a ajuda do Frei Lourenço. Mas, por obra do destino, acabam por ocorrer desentendimentos e desencontros, o que sela o futuro de Romeu e Julieta: a Morte.
A narrativa aborda diversos outros temas, mas sem sombra de dúvidas o que mais se ressalta em toda a trama é o conceito de amor sem limites. A essência da tragédia é a força da paixão. Ela é impulsiva e indomável. É possível imaginar que Romeu e Julieta se tornaram o casal representante do romance por causa dessa força. Até as autoridades religiosas, tão rígidas ao serem retratadas em outras obras, acabam por se curvar diante dos jovens amantes de Verona. O maior exemplo disso é o próprio papel do Frei Lourenço, que recorre a diversos meios para unir o casal.
Algo que não pode deixar de ser notado em “Romeu e Julieta” é que em momento algum houve hesitação, incerteza ou dúvida, traços típicos das obras de Shakespeare, nessa reinou o amor inquestionável.
Muitos se perguntam se a história dos dois jovens realmente aconteceu, ou se foi somente fruto da imaginação de Shakespeare. Não há dados suficientes para comprovar que Romeu e Julieta existiram na realidade, mas isso só torna ainda mais inquestionável a perfeita técnica utilizada por Shakespeare, uma vez que uma peça escrita tantos anos atrás continua a despertar a imaginação dos leitores contemporâneos. Talvez esse desejo de transportar “Romeu e Julieta” para a realidade se baseie no fato de que hoje a existência de um amor arrebatador, puro e verdadeiro como esse, é praticamente inexistente. O que faz com que os leitores sonhem que, pelo menos um dia no mundo, o amor foi amado como se deveria.
Outro ponto interessante é que amadurecemos junto com os personagens principais. 
Romeu abandona sua paixão platônica por Rosalina ao ver Julieta pela primeira vez, descobrindo o real sentido do amor. Já Julieta, ao se apaixonar por Romeu, se torna racional, porém ainda apaixonada perdidamente, desafiando os desejos de seus pais, se tornando mais crítica, apoiando Romeu mesmo quando este mata seu primo Teobaldo, buscando uma alternativa diante do iminente casamento com Páris e acatando esse plano, por mais ousado que seja, e ainda não se intimida diante da morte.
Há boas adaptações cinematográficas de “Romeu e Julieta”, que complementam a leitura da obra, com a fusão entre os sentimentos do leitor e dos personagens.

A história do amor intenso e letal entre Romeu e Julieta é algo que encanta os leitores de diversas gerações. Apesar do tempo, é uma obra atual, que mostra o amor em seu estado mais puro. 
O final, apesar de ser conhecido por todos, não deixa de ser emocionante,   pela intensidade do sentimento perdido entre os jovens.
A morte dos enamorados atinge fortemente as famílias, que em memória de seus  descendentes fazem uma aliança de paz eterna.
E com as palavras proféticas do príncipe termina o drama infeliz: “(...) que há de viver de todos na memória Romeu e Julieta a triste história.”
Uma obra completa, perfeita e digna de inúmeras releituras e publicações que fazem jus a sua fama.
Isso é Shakespeare!


Abraços literários e até a próxima.


Nenhum comentário:

Postar um comentário