Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



sábado, 16 de janeiro de 2016

Caneca Literária #29: Manuscritos do Mar Morto

                                                                                 
A Caneca Literária de hoje é para VCS que assim como nós amam os thrillers policiais/conspiratórios e aqueles personagens super bem construídos, marcantes, inesquecíveis, com os quais fazemos amizade e depois que o livro acaba, sentimos uma saudade imensa deles.

Nossa coluna queridinha estreia 2016 em grande estilo trazendo um dos nossos livros favoritos!

                                                                                   


Sinopse- A ambiciosa policial Heather Kennedy está em seu trabalho mais difícil: seus métodos de investigação são criticados e ela está sendo assediada por colegas rancorosos porque não lhes dá atenção. Até que lhe é atribuída o que parece ser uma investigação de rotina, sobre a morte acidental de um professor da Faculdade Prince Regent, mas a autópsia deste caso volta com algumas descobertas incomuns: o inquérito vincula a morte deste professor às de outros historiadores que trabalharam juntos em um obscuro projeto sobre um manuscrito do início da Era Cristã. Em seu escritório, Kennedy segue com sua investigação e logo se preocupa com o rumo para onde está sendo levada. Mas ela não está sozinha em sua apreensão. O ex-mercenário Leo Tillman — seu futuro parceiro — também tem angustiantes informações sobre estes crimes. E sobre a misteriosa organização mundial a que os crimes se relacionam… Escondido entre os pergaminhos do Mar Morto, um códice mortal pretende desvendar os segredos que envolvem a morte de Jesus Cristo. Entre um terrível acidente de avião no deserto americano, um brutal assassinato na Universidade de Londres e uma cidade-fantasma no México, Manuscritos do Mar Morto é o mais emocionante thriller desde O código Da Vinci.


A policial Heather Kennedy, nossa protagonista, é daquelas personagens principais que arrepiam a cada frase. Ela tem uma pegada diferente, forte, ousada, autoritária, competentíssima e determinada sendo ao mesmo tempo refém de uma sensibilidade incomum e das incertezas que rondam seu psicológico e seu dia a dia no trabalho em campo.
Leo Tillman é um cara instigante. Sombrio, estranho, interessante, forte, firme, determinado, misterioso, daqueles que desperta a curiosidade só de olhar, sacaram? (quero um Tillman para chamar de meu hehehe).
Kennedy conhece Tillman, e os dois formam uma parceria. No início não são amigos, nem mesmo colegas. Apenas trocam informações absolutamente necessárias onde um ajuda o outro nas investigações paralelas de ambos até descobrirem os Manuscritos do Mar Morto, que esconde um segredo que a humanidade não pode conhecer.
Daí VC pensa a história é batida e recontada, mais um livro que costura as teorias da conspiração sobre a morte de Jesus e o surgimento do cristianismo, dos muitos que surgiram na esteira de O Código da Vinci de Dan Brown.
Mas Manuscritos do Mar Morto, do britânico Adam  Blake, apesar do título óbvio, é um bom thriller policial, desses que se lê de um só fôlego, de uma sentada, que prende a atenção do início ao fim, recheado de mistérios e tramas de espionagem internacional, para entreter leitores que adoram o gênero.
O ponto de partida é um grupo de historiadores que trabalha em documentos antigos, especificamente aqueles encontrados na década de 1940 em Nag Hammadi, no Egito,  que versam sobre gnosticismo (conjunto de correntes filosófico-religiosas) e um suposto Evangelho de Judas. Os pesquisadores descobrem um segredo milenar que jamais deveria vir à luz e por isso pagam com a vida, em crimes planejados para parecerem acidentes.
É a partir daí que entram em ação os protagonistas da história, a detetive Heather Kennedy e o ex-soldado e ex-mercenário Leo Tillman, “uma hábil máquina de matar” que há 13 anos viaja pelo mundo em busca de Michael Brand, o homem que ele acredita ter raptado sua mulher e os três filhos pequenos. Os dois se unem porque Brand também parece estar misteriosamente envolvido nas mortes dos pesquisadores.
Além da trama principal, Adam Blake, que é pseudônimo de Mike Carey, autor consagrado da Grã-Bretanha, desenvolve ótimas tramas paralelas, que com o avançar da narrativa se cruzam, como as investigações do xerife Webster Gayle, (um dos meus personagens favoritos) no Arizona, sobre a queda de um avião em um pedaço de deserto sob sua jurisdição.
O autor também explora muito bem os conflitos pessoais e familiares de seus personagens. Heather Kennedy, por exemplo, cuida do pai, um ex-policial com Alzheimer. E por ser mulher, invejada pela competência em seu trabalho, e lésbica, sofre assédio moral e provocações constantes dos colegas detetives de seu departamento. Já Tillman, tem uma personalidade complexa, obsessiva  e compulsiva, além de uma carga emocional imensa que demonstra o quanto sua alma é atormentada por uma busca (quase) infrutífera, que é o que o mantém em contato com a realidade.

A história começa em Londres, com algumas cenas em lugares exóticos da Europa Central e do Oriente Médio. Depois, juntando, alinhavando e costurando as tramas paralelas com maestria, Blake transfere o epicentro da trama para o Arizona e a Cidade do México, unindo Heather e Gayle, além da jornalista Eileen Moggs, uma personagem coadjuvante que se mostra essencial para a investigação da detetive inglesa.
Blake, que também é roteirista de quadrinhos, tem uma narrativa ágil e enxuta, além de rica em detalhes, com personagens muito bem construídos, carismáticos e “reais”.
Ele escreve de forma visual, mas não perde tempo com descrições desnecessárias e consegue adjetivar cenários que surgem na mente do leitor como cenas de um filme, inserindo-o na trama.
Manuscritos do Mar Morto surpreende por mostrar as mesmas questões por um ângulo e abordagem novos.
Comparar o livro a O Código da Vinci é um grande equívoco. Dan Brown faz questão de manter um tom conspiratório, místico e até meio fanático nas histórias de Robert Langdon; enquanto Blake trabalha num tom “crível” em seu thriller de conspiração e investigações plausíveis. Não precisa ser um leitor muito atento,  basta senso crítico e bagagem de referências literárias prévias, além de bom senso, para ficar  claro que os livros não se misturam.

Manuscritos do Mar Morto é um excelente livro de suspense, ação, assassinatos, intrigas e você leitor, precisa conhecê-lo o mais rápido possível.
Especialmente se VC curte um thriller policial conspiratório de arrepiar. 

Recomendadíssimo!

Abraços Literários e até a próxima.



Nenhum comentário:

Postar um comentário