Queremos convidar você a fazer uma viagem, uma viagem mágica, por diversos países, culturas, hábitos, épocas, onde sua imaginação quiser e você se permitir...

Viajar pelas páginas de nossos livros, por vários gêneros, escritores anônimos e ilustradores e também os ilustres escritores: romances, aventuras, comédias, mistérios, épicos, auto-ajuda, poéticos, didáticos... toda leitura faz o ser humano conhecer, abranger, crescer...

Neste blog vamos divulgar, sugerir, incentivar, um espaço para interagir com você, que vai ser nosso seguidor ou dar apenas uma espiadinha, mas será sempre bem-vindo, como aquele amigo que senta para tomar um café e conversarmos sobre aquelas páginas de um livro que mais nos marcou, ou aquele que estamos lendo no momento, então fica aqui nosso convite, entre no nosso blog, tome um café, enquanto passeia pelos nossas postagens, interaja conosco sempre, estamos aqui na rede aguardando a sua chegada.


Abraços literários.


Aparecida




Vamos trocar idéias, opiniões, interagir?

Tem algum comentário ou sugestão para fazer?

Escreva para nós no e-mail: cafecomleituranarede@gmail.com


Loja Virtual

A loja virtual "Café com leitura na rede" está a todo vapor, e convidamos você a visitar nossa loja, lá lhe aguardam ótimos preços, opções para todos os gostos e um atendimento muito, muito especial e amigo.

Acesse agora mesmo:


Abraços


Equipe Café com Leitura na Rede.



segunda-feira, 21 de maio de 2018

A Qualquer Custo-


                                                                              

A Qualquer Custo é um dos melhores filmes que já assisti no gênero western!
Com direção de David Mackenzie e roteiro de Taylor Sheridan acompanhamos a história de dois irmãos, Toby (Chris Pine) e Tanner (Ben Foster), que planejam um bem engendrado roubo a uma rede de bancos do Texas Midlands Bank, numa época de recessão.
Toby e Tanner, proporcionalmente foras da lei pobres e personagens humanos ricamente construídos, “em seus pontos de vista” têm uma boa razão para fazer o que estão fazendo.
O filme tem ótimas atuações de Pine, Foster e Jeff Bridges, o patrulheiro que assume obstinadamente o caso.
É uma releitura, porém, como se fosse um western com cowboys de outro tempo.
O gênero determina o ritmo do filme, masssss não aquele western com mocinhas em perigo e duelos e sim uma interessante versão atualizada, inclusive o vilão não é um vilão de carne e osso, mas uma instituição.
A forma frenética seguida, as montagens bem valorizadas aproveitando cada ação dos personagens – em ação ou em diálogos – mostrando de forma dinâmica o plano dos irmãos, uma trilha sonora intensa que vai do rock ao country e uma fotografia sensacional em que prevalece os tons de verde, amarelo e mostarda, a película evidencia como a constante visualização das desigualdades pode se tornar extremista em atitudes até então sequer cogitadas.
Os irmãos nos levam, enquanto espectadores, assim como os moradores locais, ao mesmo desejo de liberdade, enquanto o patrulheiro acredita num código moral que o faz caçar simplesmente pelo que ele acredita ser errado, ainda que ele próprio seja politicamente incorreto, mostrando seu lado ¨texano racista¨ sempre fazendo comentários para seu parceiro Alberto Parker (Gil Birmingham), que releva constantemente as situações.
Toby e Tanner estão em rota de colisão – com a lei e com eles mesmos – mas A Qualquer Custo não vai te levar para onde se espera, o filme cresce a cada ação desestabilizada de seus protagonistas.
A história está do lado “bom” das coisas, mesmo que esse lado seja na verdade, o errado.

Prende a atenção do início ao fim e se no final romantiza certos elementos, no decorrer da narrativa faz um retrato bastante interessante da realidade.

Para quem gosta do gênero western é imperdível.

Abraços Literário e até a próxima.


quinta-feira, 17 de maio de 2018

Campanha Vá ao Teatro-


                                                                              


A Campanha Vá ao Teatro organizada pela Apetesp (Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo) que promove a venda de ingressos a preços populares vai até o dia 03/06 em diversos teatros da capital de São Paulo.
É um modo de divulgação da arte e permitir que mais pessoas tenham a experiência cênica.
O festival tem, no total 50 peças, e um dos destaques do programa é “O Escândalo Philippe Dussaert” com o fofo do Marcos Caruso no FAAP que tem a R$ 20,00 de 5ª  à sábado às 21 h e domingos às 18 h.
Algumas excelentes opções são: “Muito Louca” com Fafy Siqueira e Suely Franco, “O Pai” com Fúlvio Stefanini, “O Longe é Aqui”, “Contos de Bruxas e Princesas”, “Francisco de Assis”, “Os Miseráveis”, “O Cortiço”, “ Aladim”, “A Bela e a Fera”, “Os Saltimbancos”, “O Mágico de Oz”, “A Minha Vida Após a Morte”, “Quem Ama Bloqueia”, “Os Rapazes da Rua Augusta”,
E Foram Quase Felizes para Sempre”, “ Como se Fora esta Noite”, “Panos e Lendas” e “1 Milhão de Anos em 1 Hora”, entre outras.

A Programação completa está no site https://bit.ly/2JFe0dG
De R$ 5,00 a R$ 20,00


Abraços Literários e até a próxima.




domingo, 13 de maio de 2018

Feliz Dia das Mães-



Parabéns à todas as mamães, e quando digo mães, não me refiro apenas à condição biológica de gerar e trazer um ser humano ao mundo, mas, sobretudo à capacidade de amar concebida em seus corações.


Ela tem a capacidade de ouvir o silêncio.
Adivinhar sentimentos.
Encontrar a palavra certa nos
momentos incertos.
Nos fortalece quando tudo ao
nosso redor parece ruir.
Sabedoria emprestada dos deuses
para nos proteger e amparar.
Sua existência é em si um ato de amor.
Gerar, cuidar, nutrir.
Amar, amar, amar e mais amar!
Amar com um amor incondicional.
Afeto desmedido e incontido.
Mãe é um ser infinito.


Feliz Dia das Mães!!!!!


Abraços Literários, beijos poéticos e até a próxima.


quinta-feira, 10 de maio de 2018

As Noivas da Semana-


                                                                               


Da Editora Verus, a série As noivas da Semana, de Catherine Bybee, é baseada na experiência de personagens que utilizam o serviço de matchmaking (casamenteira) oferecido pela agência Alliance, e como todo romance que se preze, o envolvimento acontece apesar das regras impostas pela agência.


O primeiro livro, Casada até Quarta

Blake Harrison é rico, nobre, charmoso... e precisa de uma esposa até quarta-feira.
Ele encontra Samantha Elliot, linda, exuberante e com a voz mais sexy que ele já ouviu.
Samantha Elliot é a dona da agência de casamentos Alliance, ela não está no menu de pretendentes... até Blake lhe oferecer milhões pelo contrato de um ano.
Não há nada de indecente na proposta, e além disso o dinheiro vai ser útil para quitar contas médicas.
Samantha só precisa disfarçar a atração que sente por seu novo marido e evitar a todo custo a cama dele.
Mas os beijos de Blake e seu charme inegável são muito difíceis de resistir.
Era um contrato de casamento que previa tudo... menos se apaixonar.



 Esposa até Segunda

Com seus cabelos loiros, olhos azuis e beleza hollywoodiana, ele pode ter a mulher que quiser. Mas, quando decide concorrer à vaga de governador do estado da Califórnia, Carter sabe que vai precisar abandonar a vida de solteiro e se tornar um homem de família e para isso ele precisa de uma esposa.
Entra Eliza Havens, que gerencia a agência de casamentos Alliance.
Eliza Havens, está feliz por sua amiga Sam ter se casado.
Só tem um detalhe que a deixa louca da vida, o melhor amigo dele, o sexy e ousado Carter Billings. Eliza nunca brigou tanto com um homem — e nunca conheceu alguém que mexesse tanto com ela. Juntar pessoas solitárias é a maneira como Eliza ganha a vida, porém um obscuro segredo do passado a faz descartar totalmente a possibilidade de se casar.
Pelo menos foi assim até agora...



Noiva até Sexta

Gwen Harrison, a filha de um duque inglês se mudou para os Estados Unidos para cuidar da agência de casamentos de sua cunhada, e só porque ela agora é a chefe da agência, não significa que não possa fantasiar um encontro perfeito com Neil MacBain, o enigmático guarda-costas que vem tornando seus sonhos um tanto quanto agitados.
Neil MacBain, o ex-fuzileiro naval, não pode negar o efeito de Gwen em sua alma atormentada e seu corpo esculpido pela rotina militar. Mas manter distância é fundamental — até uma ameaça do passado dele retornar e ela se ver no meio do fogo cruzado.
Agora depende dele decidir o que é mais importante salvar: sua carreira, sua vida... ou a mulher que conquistou seu coração.



Solteira até Sábado

Karen Jones se casou com um astro de Hollywood, porém é ela quem desempenha o papel de esposa feliz.
Um ano atrás, ela concordou em se casar com um ator famoso para dissipar rumores sobre a vida pessoal dele.
Agora seu divórcio se aproxima, assim como um pagamento de cinco milhões de dólares.
No entanto, enquanto se prepara para o término de seu casamento arranjado, ela conhece o cunhado, Zach Gardner, o pedaço de mau caminho que aparece sem ser convidado na festa de um ano de casamento de Michael e Karen, determinado a conhecer a esposa que seu irmão escondeu da família.
Faíscas voam no instante em que eles se encontram.
Quando o casal famoso decide visitar a família Gardner, Karen precisa esconder o segredo do marido e de seus parentes... incluindo Zach, o homem que talvez seja o amor da sua vida.




Conquistada até Terça

Judy Gardner acabou de se formar na faculdade e está pronta para ganhar o mundo... desde que consiga um emprego.
Esperando passar o mais rápido possível de arquiteta novata a profissional respeitada, ela se muda para a casa de seu irmão celebridade, Michael Wolfe, em Los Angeles.
Mas é difícil para Judy se concentrar no trabalho quando o guarda-costas por quem ela se apaixonou no verão passado continua aparecendo em sua vida e tirando seu fôlego.
Rick Evans com seu corpo musculoso, olhos verdes e sorriso fácil, poderia ter a mulher que quisesse.
Mas o ex-militar só tem olhos para Judy.
Quando ela sofre um ataque, Rick sabe que não vai parar até ter certeza de que a mulher da sua vida está a salvo.




Seduzida até Domingo

Meg Rosenthal, administradora da agência de casamentos e realista nas horas vagas, não é mulher de se deixar seduzir por um bonitão em um terno feito sob medida.
Ela viajou ao resort em uma ilha particular com o objetivo de avaliar o potencial do lugar para os clientes da agência, não a fim de se envolver com o dono do local.
Mas há algo no fascinante italiano que é difícil de resistir, mesmo para uma mulher que se recusa a se apaixonar.
Valentino Masini, bem-sucedido homem de negócios, está acostumado a ter tudo na vida. No entanto, ele nunca quis nada como quer Meg, a mulher que está criando uma tormenta em seu coração. Quando ele finalmente a convence ficar, uma pessoa misteriosa resolve que é hora de tirar Meg da ilha... para sempre.



Encontrada até Quinta

O último livro da série Noivas da Semana, traz Gabriella Masini, assombrada pelo passado, com as cicatrizes que não a deixam esquecer.
Gabi acredita que contos de fadas acontecem com outras pessoas, não com ela.
Trabalhando na Alliance, ela é ótima com números, mas não consegue somar dois mais dois quando se trata de seu último cliente, um bad boy com seus próprios segredos, que faz uma oferta que ela não pode recusar.
Hunter Blackwell, tem uma razão secreta para querer se casar, pelo menos por um tempo — e acha que Gabi é perfeita para o papel. Mas, quando o casamento de conveniência se torna perigoso, Hunter deve decidir até onde iria para cumprir a promessa de proteger Gabi para sempre.



Para o mês de maio mais clichê impossível :p lembra até aqueles romances de banca :D
Levinhos, contemporâneos e de leitura simples.
Lendo sem expectativas rende boas risadas, cumpre o prometido entretenimento e tem um enredo até que bem trabalhado, além de umas capas bem fofinhas ;)


Abraços Literários e até a próxima



segunda-feira, 30 de abril de 2018

A Mulher na Janela-


                                                                              


Sinopse: Anna Fox mora sozinha na casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo filmes antigos, conversando com estranhos na internet e…. espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo começar a ruir.
Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? Neste thriller viciante, ninguém – e nada – é o que parece.  

Vocês se lembraram de A Garota no trem?????? Que tem uma protagonista cujas memórias estão comprometidas e, por isso, há dúvidas em relação a ter ou não testemunhado um crime?
O thriller psicológico sempre fez muito sucesso e A Mulher na Janela da editora Arqueiro é o bonito da vez.
Confunde o leitor como um quebra-cabeças onde nenhuma peça se encaixa ali com perfeição ou um labirinto onde percorremos os caminhos errados. Tudo o que você acredita ser verdade não é.
Narrada de maneira ágil pela protagonista Anna, que por conta de uma fobia fica presa em casa, nos apresenta sua rotina diária: bisbilhotar a vida alheia.
Quando uma família se muda para a casa em frente a sua, ela fica obcecada por eles até testemunhar algo que a deixa transtornada.
Porém, seu maior desafio será diferenciar realidade da imaginação: só assim ela poderá convencer os outros sobre o que ela viu.

Vocês se lembram de Janela Indiscreta?????
A Mulher na Janela é uma homenagem aos filmes da metade do século XX e o livro é recheado de referências e citações de algumas das principais obras do cinema.
O autor soube muito bem mesclar o caráter introspectivo do livro com os elementos externos à personagem tornando fácil visualizar as cenas, como se estivesse assistindo a um filme e compartilhar com a protagonista seus sentimentos e sensações deixando claro suas limitações de saúde e problemas com bebida, cenário perfeito para lançar as perguntas: Aconteceu mesmo algo? E, se aconteceu, de quem é a culpa?
A partir daí, enquanto desfazemos nós e buscamos identificar o que é verdade e o que não passa de imaginação de uma mente perturbada, a leitura se torna viciante!
Os personagens secundários cumprem bem seus papéis de complicadores do mistério.
Nada do que é colocado na narrativa é por acaso, tudo tem um propósito para conectar acontecimentos entre si e apresentar camadas interpretativas à leitura.
O único senão que eu faria são alguns flashbacks um tiquinho longos :p

O leitor consegue desvendar os mistérios antes deles serem revelados, mas isso não retira o mérito da obra nem diminui o prazer de ter passado horas procurando por pistas.
As últimas cinquenta páginas são eletrizantes e o plot twist final foi surpreendente.

A.J. Finn, formado em Oxford, é ex-crítico literário e já escreveu para o Los Angeles Times, The Washington Post e The Times Literary Supplement. A Mulher Na Janela, seu primeiro romance, foi vendido para 36 países e está sendo adaptado para as telonas pela 20th Century Fox.

Abraços Literários e até a próxima.



sexta-feira, 27 de abril de 2018

Picta Mundi-


                                                                                


Sinopse: A vida de Letícia virou de cabeça pra baixo após a morte de Raul, seu pai. Até mesmo o colégio onde estuda, um reduto de jovens prodígios, perdeu a graça que tinha. Mas as coisas começam a mudar quando descobre que o desaparecimento de Felipe, o aluno mais promissor do colégio, e a morte de Raul poderiam estar interligados. Daniel, irmão de Felipe, afirma que Raul pode estar vivo, mas, assim como seu irmão, preso em um mundo paralelo dentro de quadros, Picta Mundi.
Agora, somente Letícia pode ajudá-los. Para isso, terá que entrar em Picta Mundi e, junto com Felipe, procurar por seu pai e reunir os itens mágicos que os libertarão daquele universo.
Em meio à várias aventuras em quadros que retratam momentos da história do Brasil, como os bailes de máscara do início do século XX ou uma aldeia de índios tupinambás no século XVI, eles terão seus conhecimentos e coragem testados em enigmas, passagens secretas, e confrontos com seres perigosos, liderados pelo maligno Donato, que também está atrás dos itens mágicos para dominar Picta Mundi.


                                                                            


Alternando pontos de vista temos uma visão do enredo e de seu desenvolvimento pela corrida contra o tempo para encontrar itens mágicos que tornam possível a fuga de Picta Mundi.
Mas nada será fácil, portanto, atenção e cautela ao entrar nesse mundo imprevisível e fascinante.
A leitura é impregnada de magia, não as de varinhas de condão, mas aquela inerente de abstrair, enlevar e fluir porque passear por pinturas é mágico!
Letícia perdeu o pai em circunstâncias mal explicadas e, por isso, seu mundo virou do avesso.
É quando Daniel, irmão de Felipe, que desapareceu misteriosamente, entra em contato com ela e conta que Felipe e o pai de Letícia estão em um mundo fantástico, que existe apenas dentro de quadros.
Com narração em terceira pessoa, somos apresentados à Letícia, ácida, teimosa e impulsiva que só quer ser ela mesma sem a necessidade de agradar ninguém.
O que não significa, porém, que ela não se importe com aqueles que ama. Por isso, apesar da personalidade forte, há empatia com nossa protagonista e torcemos pelo sucesso de sua jornada.
E falando em jornada, ela não está sozinha nesse mundo incrível.
Igualmente dotado de uma inteligência que por diversas vezes entra em conflito com a da garota, temos Felipe que cativa pela sua forma autêntica agindo de modo preciso sem dar margem ao leitor para subestimá-lo.

Conheci Picta Mundi nas finais de um concurso de fantasia e sci-fi da Revista Bang! e ali já me interessei por esse mundo fantástico dentro de quadros.
O livro não venceu, mas a autora Gleice Couto, administradora do blog Murmúrios Pessoais construiu uma carreira de escritora independente com uma escrita deliciosa, muita aventura em um mundo criativo que conquista a todos.
Picta Mundi tem um início um tantinho lento pela descrição dos personagens, situações-limite e apresentação do mundo paralelo, mas quando mergulhamos no universo dos quadros, a leitura deslancha, com aventuras eletrizantes e enigmas inteligentes.
A autora dona de uma brasilidade sensacional conseguiu mesclar fatos da nossa história à trama, de maneira natural, sem cair na armadilha do didatismo e olha que não é tarefa fácil encontrar livros que retratem nossa história e cultura.
Um parágrafo à parte para dois personagens que na minha opinião deixaram um pouco a desejar: o vilão, Donato, unidimensional, não acrescentou muito à trama e a mãe de Letícia com uma pegada de suspense que poderia ter sido melhor aproveitada.

Picta Mundi é um livro independente com edição linda e caprichada, uma surpreendente narrativa, personagens cativantes, escrita leve e sem furos com um final coerente e bem redondinho que não deixa pontas soltas.
Uma fantasia nacional infantojuvenil, para todas as idades, imperdível!


Abraços Literários e até a próxima.


quarta-feira, 25 de abril de 2018

O garoto do cachecol vermelho e A garota das sapatilhas brancas-



O garoto do cachecol vermelho

Sinopse: Uma história comovente, intensa e apaixonante. Melissa é uma garota linda, rica e mimada, que sempre consegue o que quer e tem todos na palma da mão. Ela acredita que a carreira de bailarina é a única coisa que realmente importa, porém suas certezas são abaladas quando faz uma aposta com um garoto misterioso, que parece ter como objetivo virar sua vida de cabeça para baixo. De repente, ela se vê dividida entre dois caminhos: realizar seu maior sonho, pelo qual batalhou a vida inteira, ou viver um grande amor.
Mas, não importa aonde ela vá, todas as direções apontam para o garoto do cachecol vermelho.
                                                                                
A narrativa conta a história de Melissa, que sonha em ser uma grande bailarina e deseja muito cursar dança na Julliard – faculdade de artes de NY.
Apesar de ser uma garota esforçada, nossa protagonista é arrogante e preconceituosa.
Numa noite de ano novo ela conhece Daniel, um garoto que usa um cachecol vermelho em pleno verão e que vai mudar sua vida completamente.
Daniel sempre está querendo ajudá-la e eles sempre acabam brigando já que ela não entende o motivo pelo qual precisaria de ajuda para sua vida perfeita. 
À medida que a narrativa flui percebemos que eles se atraem, estão sempre nos mesmos lugares e essa proximidade involuntária faz com que os dois façam uma aposta para que a garota conviva com ele por algum tempo e veja a vida com outros olhos.
Há momentos surpreendentes nesse livro, principalmente quando a Mel se permite viver, sentir e olhar a vida de outra forma.
A obra ainda faz uma abordagem sobre a Esclerose Lateral Amiotrófica, esclarecendo uma questão importante com sutileza, mas sem minimizar o tratamento adequado.
Narrado pelo ponto de vista de Melissa, apenas um trecho nos mostra uma visão de Daniel, é uma leitura interessante que prende a atenção e apresenta um desfecho surpreendente onde a autora não teve receio em inovar.
O garoto do cachecol vermelho vem disfarçado de romance água com açúcar, mas está recheado de drama e suspense.

                                                                              
                                                                               
     
A garota das sapatilhas brancas

Sinopse: Ele foi o farol que a salvou da escuridão. Ela devolveu as cores ao mundo dele.
Daniel Lobos vive a vida plenamente. Dono de um coração enorme, divide seu tempo entre duas paixões: a música e as causas sociais. Até que seu caminho cruza o de Melissa, uma bailarina preconceituosa e esnobe, que põe à prova aquilo em que ele mais acredita: que todo mundo merece uma segunda chance.
Este romance mostra, através das lembranças de diversos personagens já conhecidos em O garoto do cachecol vermelho como as nossas decisões afetam o nosso destino.
O que levou Daniel a ter tanta fé em Melissa, quando ninguém mais acreditava nela?
Toda história tem dois lados, e agora é a vez de conhecer a do garoto do cachecol vermelho.
                                                                                
A Garota das Sapatilhas Brancas é um Spin Off, em que a autora Ana Beatriz Brandão narra cenas que não estão em O Garoto do Cachecol Vermelho e que contadas por outros personagens.
Muitas pelo ponto de vista de Daniel, são de antes mesmo de Mel e Dani se conhecerem, assim sabemos mais da personalidade desse personagem cativante, o garoto cheio de vida e alegre que também era um ser humano com dúvidas e medos. Ver o tamanho da força que ele teve, sua resiliência, seu amor ao próximo, e como ele sempre pensou nos outros antes de si, até mesmo nos piores momentos. 
As cenas não estão em ordem cronológica, mas organizadas de maneira que o leitor pudesse compreender as atitudes de Daniel. É um livro sobre amor, fé, esperança, perdão, família, segundas chances e como a vida pode ser bonita.
Conhecer DaniDani por seu próprio ponto de vista é essencial para encerrar com chave de ouro a história que começou em O garoto do cachecol vermelho e funciona como uma espécie de despedida oficial do casal que nos proporcionou tantos sorrisos.
Vale a pena conferir!

Abraços Literários e até a próxima.